Como colocar em prática a parentalidade e educação positiva

Educar os nossos filhos da melhor forma é fundamental para que eles se tornem pessoas de carácter e com valores exemplares. No entanto, este é um trabalho árduo e o caminho pode não ser fácil.

Muitos pais cometem o erro de impôr regras e valores aos seus filhos por meio da autoridade. Outros, por não quererem ser auteros com os filhos, acabam por ser permissivos. Embora estes dois caminhos sejam os mais fáceis, não são os mais correctos. O meio termo, geralmente, é sempre a melhor opção, inclusive na educação.

A parentalidade e educação positiva é, até à data, a melhor forma de se educar uma criança, de forma a que ele cresça saudável, com regras, mas sem perder os vínculos afectivos com os pais.

10 dicas para praticar a parentalidade e educação positiva

Se quer colocar em prática a educação e parentalidade positiva, estas dicas dão-lhe as bases para poder começar. Anote e comece a praticar ainda hoje.

1- Estabeleça limites sem perder a empatia

Para estabelecer limites aos seus filhos não precisa berrar, ameaçar, ou bater. Seja firme, mas empático. Mostre que percebe que o seu filho possa ficar frustrado por não poder fazer determinada coisa, mas que ele tem de cumprir aquilo que os pais lhe dizem, explicando as razões para tal.

2- Prevenir é melhor do que remediar

A educação tem muito de atenção ao que os nossos filhos andam a fazer. Muitas vezes deixamos passar algumas atitudes dos nossos filhos que não gostamos, e só depois de eles insistirem, e nós perdermos a paciência, é que agimos (geralmente da pior forma). A melhor forma de se agir é antecipar os acontecimentos e agir previamente. 

3- Cada criança é diferente

Não existem duas crianças iguais, e por isso os pais devem conhecer os seus filhos para saberem a melhor forma de agir. Não se educa de duas formas iguais, nem quando se tratam de dois irmãos. A natureza de cada criança é diferente, e os pais devem ajustar as suas atitudes de acordo com isso.

4 – Respeite o que o seu filho sente

O seu filho, assim como você, tem o direito de se sentir triste, frustrado, zangado. É importante que respeite o que o seu filho sente e lembre-se que sentimentos de raiva e frustração não são sinónimos de imoralidade.

5 – Sê directo

Os pais não devem dar rodeios quando se trata de educar os mais novos. É importante ser claro e concreto, mas devemos sempre dar alternativas. Não que devamos fazer as vontades dos nossos filhos, mas devemos dar-lhes a escolher entre as nossas alternativas.

6- Regras sim, mas não em demasia

É muito importante que as crianças cresçam sabendo que têm de cumprir certas regras. Elas devem existir, sim, mas não em demasia. O ideal é que tenha poucas regras, mas que essas sejam boas.

7 – Seja consistente

Existem regras e hábitos que faz questão de verem cumpridos? Então faça com que se cumpram sempre, não apenas quando se lembra. E, claro, cumpra também. Não podemos esquecer que os pais é que dão o maior exemplo.

8 – Elogie

Quando os nossos filhos fazem asneiras, não hesitamos em repreendê-los. No entanto, quando fazem alguma coisa de que gostamos, nem sempre os elogiamos. Não deixe de dizer que gostou muito de determinado comportamento. As crianças sempre dão mais valor àquilo que fazem e que agradam aos pais do que o contrário.

9 – Ensine que tudo tem consequências

As crianças não fazem ideia do que é o revés da moeda. Para elas, o que importa é o agora e não têm a capacidade de antever aquilo que pode advir daí. Ensine-lhes que todos os actos têm consequências.

10- Respeitem-se

A última das dicas é respeitem-se. Nenhuma relação cresce saudável sem respeito, e respeito mútuo. Se exigimos respeito por parte dos nossos filhos, antes de qualquer coisa, devemos respeitá-los.

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *